Fotos de marilyn de sosa

Date: 14.11.2018, 15:19 / Views: 62171

Закрыть ... [X]

 

 

Givenchy é mais do que um estilista, é uma lenda. Seu nome está ligado eternamente a sofisticação, requinte, corte perfeito e ao luxo acima de tudo. Com extrema elegância os seus modelos se tornaram icônicos . Vou mostrar o trabalho desse estilista de mente brilhante, além é claro de contar a historia da marca .

 

A história:

O estilista Hubert-James Marcel-Taffin Givenchy nasceu no dia 21 de fevereiro de 1927 na cidade francesa de Bauvais. Filho do marquês Lucien Taffin de Givenchy e de Béatrice de Givenchy, seu avô dirigia uma oficina de tapetes na cidade. Muito cedo ele já demonstrava seu interesse pela moda. Aos dez anos, ao visitar uma exposição de figurinos dos mais famosos estilistas franceses, ele se identificou imediatamente com o universo luxuoso da alta-costura, contrariando o sonho de seus pais, que queriam vê-lo advogado. Não houve tempo para o Direito. Aos 17 anos ele foi direto para a Escola de Belas Artes de Paris e trabalhou com grandes nomes da moda – foi assistente de Jacques Fath, Robert Piguet (em 1946), Lucien Lelong, ao lado de Pierre Balmain e Christian Dior, e, mais tarde, em 1949, braço direito de Elsa Schiaparelli.

Bettina Graziani

Abriu sua própria maison em fevereiro de 1952, localizada no número 8 da rue Alfred de Vigny, na Monceau Plain, a oeste de Paris, e o reconhecimento foi quase imediato, fazendo soprar um vento de renovação, adaptado às novas exigências das elegantes em viagem, após anos de um monopólio quase absoluto de Dior e seu New Look. Muitas das criações de Givenchy eram feitas com tecido de camisaria. Em sua primeira coleção apresentou a blusa Bettina, uma homenagem à modelo Bettina Graziani, nome da sua principal modelo e também relações públicas da marca, e que foi uma de suas criações de maior sucesso. A blusa tinha a gola larga e aberta, e mangas que terminavam em babados de bordado inglês.

 

Com este sucesso, a fama de Givenchy se consolidou. No ano seguinte abriu lojas em Buenos Aires, Roma e Zurique. Suas criações eram luxuosas e com estilo, com nítida influência do estilista espanhol Cristóbal Balenciaga, e Givenchy jamais negou que o trabalho de Balenciaga o inspirava. Balenciaga e Givenchy se conheceram em 1953 e foram amigos até a morte do estilista espanhol, em 1972.

Foi também em 1953 que Hubert de Givenchy conheceu a sua musa inspiradora, a atriz Audrey Hepburn, e passou a criar modelos para seus filmes, como Sabrina (1954) e Cinderela em Paris (1957). O filme Sabrina ganhou o Oscar de melhor figurino, assinado por Edith Head – a designer mais requisitada de Hollywood na época -, a qual não deu o devido crédito a Givenchy pelo famoso vestido de baile, usado por Audrey Hepburn no filme.

Em resposta, a atriz exigiu que, em seus próximos filmes todo seu guarda-roupa fosse todo feito pelo estilista francês. Mas a imagem mais inesquecível da atriz norte-americana é a do filme Bonequinha de luxo, de Blake Edwards (1961), com um vestido preto longo, piteira e colar de pérolas.

 

Além de Audrey Hepburn , musa e amiga, ele vestiu outras personalidades famosas, como Gloria Guinness, Dolores Guinness, Greta Garbo, Elizabeth Taylor, Marlene Dietrich, Jacqueline Kennedy, Grace Kelly, Lauren Bacall, Ingrid Bergman, a imperatriz Farah Pahlavi  e a duquesa de Windsor, representantes também de inquestionável elegância e glamour.

Durante os anos 50, ele criou vários modelos de vestidos “chemisier”, na forma saco, largos na parte superior e afunilando-se em direção à bainha. Também fez muito sucesso com a criação de peças independentes e coordenáveis – pois, até então, blusas e saias (ou calças) só podiam ser usadas como um conjunto – e com as suas famosas blusas de tecidos de camisas. Givenchy foi o primeiro estilista de alta-costura a apresentar uma coleção de prêt-à-porter feminino, intitulada “Givenchy Université”, em 1954. Em 1957, lançou o seu primeiro perfume feminino, chamado Le De. Originalmente vendido a poucos seletos clientes e amigos pessoais, atualmente ele só é encontrado em Paris, nas galerias Lafayette e Printemps, na Saks, em Nova York e na Harrods e Selfridges, em Londres. Ainda neste ano, criou o perfume L’Interdit, em homenagem a Audrey Hepburn; em 1959 o Monsieur Givenchy, seu primeiro perfume masculino; e, em 1973, entrou para o mundo da moda masculina, com o lançamento da linha “Gentleman Givenchy”. Ainda nesta década a grife iniciou uma enorme diversificação de produto com o lançamento de uma coleção de óculos, móveis, toalhas de mesa, sapatos e jóias. Marcou a década de 80 com a utilização de tecidos com estampas inspiradas em artistas como Miró, Matisse e Bérard.

Hurbert de Givenchy recebeu a “Medal of Arts et des Lettres”, é “Chevalier de la Légion d’Honneur” e foi nomeado para o “International Best Dressed List Hall of Fame in 1970”.

Posteriormente, criou vários outros perfumes, de que se destacam “Amarige”, “Organza Eau de Parfum” e muitos outros.

 

Apesar do sucesso e do glamour da marca, a Maison se encontrava com sérios problemas financeiros, o que culminou com sua venda, em 1988, para a Louis Vuitton. A coleção de perfumes já havia sido vendida para a Veuve Clicquot em 1981, que depois seria comprada pela LV e formaria o poderoso grupo LVHM, atual proprietário da GIVENCHY.

O estilista francês se despediu das passarelas em 11 de julho de 1995 com um desfile para poucos. Foram convidados amigos pessoais, estilistas e os principais clientes, e finalizou sob os aplausos de toda sua equipe e dos mais importantes estilistas do mundo sentados na primeira fila. Estiveram presentes grandes nomes da moda: Valentino, Yves Saint Laurent, Christian Lacroix, Paco Rabanne, Oscar de la Renta, entre outros. 

Hubert de Givenchy esteve no Brasil duas vezes: a primeira na década de 50, para o lançamento de uma coleção de algodão que havia sido encomendada pela fábrica de tecidos Bangu e a outra, em 1995, para abrir o Primeiro Congresso Brasileiro de Moda, promovido pelo Instituto Zuzu Angel e pela Faculdade Veiga de Almeida, no Rio de Janeiro.

A aposentadoria de Monsieur Hubert abriu caminho para uma total reformulação da GIVENCHY, com a contratação de John Galliano, depois Alexander McQueen e, por último, Julien MacDonald – três jovens, britânicos, teatrais e nada convencionais. Galliano teve uma passagem rápida em 1996 e logo foi para a Dior, cedendo espaço para o recém-descoberto talento de McQueen, eleito na mesma época o melhor estilista do ano pelo Conselho Britânico de Moda, tornando-se o “queridinho” da mídia especializada. Em março de 2001, MacDonald fez sua elogiada estréia, com uma coleção que fundiu harmoniosamente a jovialidade e a extravagância de seus dois predecessores com a feminilidade e a sofisticação de Hubert de Givenchy.

 

 

Finalmente, em 2005, foi anunciada a chegada do italiano Riccardo Tisci à GIVENCHY, com a esperança de manter viva a tradição, o requinte e principalmente o prestígio de uma das maiores grifes da alta costura. Porque como dizia o próprio Givenchy, “Sucesso não é prestígio. O sucesso é passageiro, o prestígio é outro assunto. Ele persiste depois da gente. É preciso trabalhar para não ter trabalhado em vão”

 

 

Linha de Maquiagem da Givenchy:

 

 

Bolsas da maison Givenchy:

Em março de 2008 a marca inaugurou sua nova loja-conceito na Faubourg Saint-Honoré n.28 , ou seja, na rua mais chique de Paris, apresenta o novo espírito da marca que equilibra espaço e privacidade. Os especialistas acreditam que a nova loja pode render cerca de 6 milhões de euros durante o primeiro ano. Tudo em um momento que a GIVENCHY está comemorando o retorno à lucratividade e o aumento das vendas.

Loja-conceito da marca em Paris

Voici les photos de la boutique Givenchy situé dans la Rue du Faubourg Saint Honoré, à Paris. L’architecte Jamie Fobert, connu pour son amour du minimalisme, n’a pas faillit à sa réputation. Les visiteurs de ce magasin peuvent contempler les produits de Ricardo Tisci à travers le prisme minimaliste de l’architecte.

 

ALTA-COSTURA, verão 2012

 

Paris Fashion Week, Inverno 2013:

A GIVENCHY tem seus produtos vendidos em mais de 20 lojas próprias da grife, além de centenas de pontos de venda dentro das mais renomadas lojas de departamento do mundo como a Harvey Nichols e Harrods em Londres, Nordstrom e Barney’s nos Estados Unidos, Galeries Lafayette em Paris, e centenas de outras lojas localizadas nos lugares mais badalados do planeta.

 

Muito eclético, Givenchy desenhou para os Correios Franceses dois selos com São Valentim, emitidos em Janeiro de 2007.

Cette année c’est la maison Givenchy qui orchestre la collection des timbres “coeur” de la poste

Après Yves Saint-Laurent, Christian Lacroix, Torrente, Chanel, Cacharel et Jean-Louis Scherrer, c’est la Maison Givenchy symbole de raffinement et de créativité qui a été choisie cette année pour concevoir les timbres « cœur » et rejoindre la collection des « cœurs griffés » de La Poste.

Les deux timbres « cœur Givenchy » – un timbre à 0.54€ pour les lettres de 20g et un timbre à 0.86€ pour les lettres de 50g – seront mis en vente dans tous les bureaux de poste à partir du 08 janvier 2007 et sur le site Internet de La Poste www.laposte.fr.

Givency ocupa ainda funções dirigentes na sociedade Christie’s.

Créateur de la maison qui porte toujours son nom, collectionneur et esthète unanimement reconnu : difficile de résumer le parcours étincelant d’Hubert de Givenchy. Maître de l’élégance « à la française », passionné par le XVIIIème siècle (mais pas seulement), le couturier s’invite aujourd’hui dans les salons de Christie’s, où il expose, en pleine Biennale des Antiquaires, pour une exposition d’objets d’arts et de sculptures provenant de sa collection personnelle. La mise en scène, signée par Hubert de Givenchy, est inspirée par la légendaire Galerie de François de Girardon, le sculpteur de Louis XIV. A plus de trois cents ans de distance, un jeu de correspondances décidément dans l’air du temps…

Du 11 au 26 septembre chez Christie’s, 9 avenue Matignon Paris 8ème.

9 Avenue Matignon 75008 Paris
Tel:             +33 (0)1 40 76 85 85
Fax: +33 (0)1 40 76 85 86

Heures d’ouverture
lundi – vendredi, 9h – 18h

Métro:
1 au 9 vers Franklin D. Roosevelt
13 vers Champs Elysées Clémenceau
9 vers Saint-Philippe-Roule

Autobus:
28, 42, 73, 80, 93 vers Rond Point des Champs Elysées

 

 

Plan de la Galerie de Giradon, d’après un dessin de Charpentier.

Croquis de la scénographie par Monsieur de Givenchy

Buste en marbre polychrome représentant Auguste ou Alexandre le Grand, Italie, XVII-XVIIIème siècle.

 

 





ШОКИРУЮЩИЕ НОВОСТИ



Related news


Fotos del peru paisajes
Pasar fotos movil samsung a pc
El proceso de fotosintesis en las plantas
Hotel santa clara cartagena de indias fotos
Fotos de cocker spaniel
Ver fotos de mulheres
H extremo ludwika paleta fotos
Paginas para fotos con efectos
Back to Top